Index Labels

À Conversa com...Sarah-Jane Abboboto "Sejam honestos com vocês mesmos e não vão falhar"

. . Sem comentários:
Sarah-Jane Abboboto é uma coreógrafa e diretora artística, de 33 anos, de ascendência filipina e residente em Londres. Auto-didata e sem formação oficial em dança, iniciou a sua carreira como bailarina de Kylie Minogue e, pelo seu percurso profissional, partilhou o palco com Kanye West, Gwen Stefani, entre outros.

Recentemente, Sarah-Jane Abboboto, esteve em Portugal, onde integrou o grupo de assistentes da coreógrafa Wanda Rokicki na realização da cerimónia de abertura da final da UEFA Champions League. Sarah-Jane teve oportunidade de trabalhar de perto com cerca de duas centenas de bailarinos portugueses. Durante a sua estadia, Sarah-Jane ministrou também um workshop de hip hop no grupo de dança Egzit.

Fomos conhecer esta bailarina e saber a sua opinião sobre a realidade que encontrou em Portugal.

O que é a dança para ti?
Para mim, a dança é uma das principais paixões da minha vida. É uma excelente fonte de diversão, expressão e fitness. Faz bem ao corpo e à mente. Quando danço é algo muito pessoal e encorajo todos a descobrirem a sua própria dança.

Como é ser um bailarino "auto-didata"?
Eu sempre amei dançar e desde muito pequena fui aprendendo sozinha. Quando entrei na indústria de entretenimento enfrentei muitos bailarinos bem treinados, que frequentaram escolas de dança. Ao início foi um desafio pois tive de criar uma imagem, passar uma impressão positiva, mesmo não tendo uma formação oficial em dança, mas com determinação e trabalho árduo, fui capaz de criar uma carreira a partir daí. Não digo que todos devam fazer o mesmo, resultou para mim, e a partir daí fui a muitas aulas de dança e evoluí mais. Nessa altura não existiam muitos bailarinos filipinos/asiáticos, o que me fez destacar. A etnicidade resultou a meu favor.


Tiveste em Portugal recentemente, foi a tua primeira vez cá? Qual a tua impressão?
Eu amei Portugal e já sinto saudades. As pessoas, o trabalho, os locais que visitei, a comida, o tempo, foi tudo fantástico! Já tinha visitado Portugal há alguns anos mas nunca Lisboa. Estive em Lisboa um mês e senti-me em casa. Espero regressar em breve!

Qual foi a melhor experiência que tiveste em Portugal?
Tudo. Não consigo identificar só uma...tudo foi bom.
Oh...os pasteis de nata (comi pelo menos um por dia).
O show e os ensaios foram a melhor parte, sentir a excitação de todos antes do show e o sentimento de orgulho após o show.


Conheceste centenas de bailarinos portugueses, o que achaste do que viste?
Os bailarinos portugueses são brutais.
No workshop que dei foi o que mais reparei. Eu não dançava à cerca de três semanas, desde que tinha saído do Reino Unido, e estava bastante entusiasmada. A energia que recebi de todos foi fantástica! Foi apenas uma hora e meia, em que os bailarinos queriam aprender muito e dançar, dançar, dançar!
Foi muito bom...e muito "sweaty"!

Qual o conselho que darias aos bailarinos portugueses que estão a tentar ganhar um lugar neste mundo da dança?
Confiem em vocês mesmos, naquilo que são, amem aquilo que fazem e entreguem-se a 100%. Alguns podem olhar-vos de lado, outros de alto, mas gostem daquilo que são. Sejam honestos com vocês mesmos e não vão falhar.

Vamos ver-te novamente em Portugal?
Sim. Espero que muito muito muito em breve!

Texto de Rita Bastos | eDANCE
Fotografias cedidas por Sarah-Jane Abboboto

Sem comentários:

Enviar um comentário

Queres publicar as tuas notícias no IDS? Tens alguma sugestão para nós? Envia para indancingshoes@edance.pt

Publicidade

Contribui para o IDS

Andam a dançar por aqui

SEGUE O IDS

PUBLICIDADE