Index Labels

À Conversa com...Claire Cunningham "Diferente"

. . Sem comentários:
Claire Cunningham é uma artista multidisciplinar de origem escocesa e que se encontra em Portugal, a convite da Vo'arte para nos mostrar o seu trabalho no festival InArte.

Como se define?
Eu costumo definir-me como uma performer com necessidades especiais. Além disso, sou também mulher, coreógrafa e vivo em Glasgow, na Escócia, aspetos significativos que tornaram possível a minha carreira e que influenciaram o trabalho que desenvolvo.
Defino-me como diferente, como todos fazemos, dependendo das pessoas com quem estamos a falar e onde estamos, e isso continua a mudar à medida que envelheço.
Tenho tendência para afirmar que sou uma artista com necessidades especiais porque ficou claro para mim, já há alguns anos, que o meu trabalho e a minha perspetiva do mundo são claramente influenciados pelo facto de ter crescido com uma deficiência física, e foi importante para mim estar consciente dessa influência e abraçá-la como algo que torna o meu trabalho original. Também foi importante afirmar que me identifico com a influência da deficiência na minha vida, ao invés de serem apenas os outros a identificarem-me como deficiente.
Existe alguma forma de «propriedade» em incluir esse título na descrição que dou de mim.
Quanto a mim, o meu trabalho não é sobre deficiência, mas é muito caraterizado pela experiência que tenho em viver com uma deficiência.
O meu trabalho baseia-se no movimento, mas pode incluir texto, música, «trabalho aéreo», vídeo e marionetas – tudo aquilo que seja necessário em determinado momento para transmitir uma ideia.
Desenvolvi uma técnica de movimento baseada na minha própria «fisicalidade», conhecimento e uso de muletas, com uma rejeição consciente das técnicas de dança tradicionais (desenvolvidas para corpos sem deficiência) ou na tentativa de me mover com a pretensão de outro corpo ou de uma outra estética que não a minha.

O que a traz ao InArte?
Estou no InArte a convite da organização, depois de terem visto o espctáculo Menage a Trois no ano passado, no Festival Unlimited, em Londres, que promove trabalhos de artistas com deficiência do Reino Unido, como parte do Olimpíada Cultural. Também estou aqui através do projeto Unlimited Access, que reúne os países Europeus parceiros e as estruturas de arte para apoiar a expansão da Deficiência nas Artes e dos artistas com deficiência nos seus próprios países, através da partilha de capacidades e de trabalho entre o Reino Unido e outros artistas Europeus.
Infelizmente, devido ao facto de ter a agenda muito preenchida este verão – estou a criar um novo espetáculo -, só conseguirei estar em Lisboa por um curto período de tempo (dois dias), mas mesmo assim gostei muito de ter oportunidade de vir até cá para criar uma ligação com o InArte e com os artistas que trabalham com o festival.
Quero muito saber quem são as pessoas com necessidades especiais que estão a trabalhar enquanto artistas, como se processa a formação destes artistas por toda a Europa e como posso apoiá-los, já que também eu recebi muito apoio por parte de entidades como o Creative Scotland, o British Council e muitos produtores independentes e mentores para alcançar o meu próprio potencial.

O que irá mostrar-nos?
Irei partilhar tarefas e metodologias que aprendi e que usei no desenvolvimento da minha própria prática enquanto performer e criadora de performances.
Gosto muito de procurar formas de descobrir a individualidade das pessoas, em particular de artistas com necessidades especiais, e de desenvolver o movimento, bem como de encorajar perspetivas originais, mais do que tentar emular técnicas ou formas «sem deficiência».
Acredito que irão também ver alguns vídeos das minhas performances e talvez algumas entrevistas que dei em festivais nos quais apresentei o meu trabalho.

Que expectativas tem?
Espero conhecer novas pessoas com as quais ainda não me cruzei, que irão dar-me novas visões e questões, e novas relações com mais artistas e organizações. Lamentavelmente, acho que não terei muito tempo para conhecer Lisboa, mas espero conseguir provar alguma comida típica e a cerveja!

Texto de Rita Bastos | eDANCE

Sem comentários:

Enviar um comentário

Queres publicar as tuas notícias no IDS? Tens alguma sugestão para nós? Envia para indancingshoes@edance.pt

Publicidade

Contribui para o IDS

Andam a dançar por aqui

SEGUE O IDS

PUBLICIDADE