Index Labels

A Dança e os Falsos Professores de Dança

. . 12 comentários:
Assistimos a um crescimento galopante do número de profissionais de dança, bem formados, que abandonam Portugal, enquanto as nossas aulas se enchem de professores que dão aulas porque "vi num filme e era tão fácil". Pois, a vida não é um filme, e quando um professor assume uma turma, tem responsabilidade sobre todos os seus alunos.

Pessoas com pouca ou nenhuma formação enquanto professores de dança, mas que se "mexem bem" e são carismáticas, são estes que eu chamo de "Falsos Professores". Estas pessoas enchem facilmente uma turma de iniciados, mas também perdem rapidamente os alunos que pretendem evoluir.

Um professor de dança tem de estar consciente de que está a mudar as vidas de todas as pessoas que se apresentam na sua aula. A aula de dança não é apenas um momento para "mexer um pouco ao som da música". É muito mais do que isso. Aquilo que nós, professores de dança, passamos aos nossos alunos, vai influenciar a sua forma de ser e estar, aquilo que os fazemos treinar vai determinar o seu desenvolvimento físico, vai formar (ou deformar) o seu corpo, vai desenvolver (ou limitar) a sua capacidade de movimento, vai potenciar (ou inibir) a sua criatividade.


Formação

Em Portugal, os cursos superiores de dança existentes abrangem um limitado número de estilos de dança, normalmente dança clássica e contemporânea com mais algumas abordagens durante o período de duração do curso. Também o ensino articulado e os cursos de formação tecnológica sofrem as mesmas limitações.

Os professores de dança devem procurar formação na área que pretendem, conhecer as opções existentes, e procurar ter uma formação o mais completa possível, seja através de cursos profissionais  ou de especialização, que devem ser sempre complementados com a frequência de workshops e de cursos intensivos.

Cada modalidade tem o seu "curso priveligiado", existe sempre aquele formador que dá total credibilidade à formação. É esse o curso que deves tirar. É esse o curso que vai dar sustentabilidade ao teu percurso profissional. Atenção que cada caso é um caso, e na dança, todas as modalidades têm exigências diferentes. Não se pode esperar que um professor de danças urbanas, tenha o mesmo percurso académico de um professor de ballet clássico. O que se pode esperar, e exigir, é que ambos tenham formação de qualidade e devidamente reconhecida na sua área.

Também a frequência de workshops e cursos intensivos tem uma enorme importância na formação de competências de cada um, pois a formação contínua é um dever de todos os profissionais e é também o que distingue um bom de um mau profissional.

São muitas as instituições que promovem workshops e cursos intensivos com profissionais internacionais de dança. Mesmo assim, muitas vezes é necessário ir lá fora procurar mais formação, especialmente em modalidades ainda pouco desenvolvidas em Portugal, de forma a complementar aquilo somos enquanto profissionais.

A dança não é uma saída profissional, é muito mais do que isso! É uma paixão, uma forma de ser, um modo de vida. Ser professor de dança requer uma formação longa e contínua.


Legislação

A legislação é também bastante limitada, existe a obrigatoriedade de detenção da Cédula de Treinador de Dança Desportiva, atribuída pela Federação Portuguesa de Dança Desportiva, apenas para as modalidades sob sua alçada. No âmbito desportivo, a cédula TEF (ex-PROCAFD), atribuída pelo Institudo Português do Desporto e Juventude, é obrigatória para atividades de ginásio e fitness, mas exclui as atividades de dança. Assim, ficamos com uma enorme lacuna no reconhecimento de certificação dos profissionais de dança.

Cabe aos empregadores, nomeadamente escolas de dança, associações, ginásios, e outras instituições que promovem aulas de dança, certificarem-se da existência de formação em determinada área, quando procuram profissionais para essa modalidade. Cabe também a estes, certificarem-me da qualidade das aulas que proporcionam aos seus alunos.

Um bom professor pode não ser o melhor bailarino, nem o que tem mais alunos, mas é aquele que ensina, que exige, que corrige!

Texto de Rita Bastos | eDANCE

12 comentários:

  1. ola eu sou daya sou cubana estudei na escola profissional de dança em cuba ballet clássico e dança moderna hoje chamada contemporânea acho este articulo do falso professor é muito importante pois hoje em dia tem se perdido o interesse por aprender a técnica estos professores agora só inculcam aos alunos la moda de dançar as coreografias de estrelas sem aprender a base de passos técnico e sobre tudo tirar a oportunidade de aqueles que estuda rom e se prepararam para o futuro no insino da dança
    obrigada tenho uma pequena academia na figueira da foz compassos daya.dança

    ResponderEliminar
  2. A resposta para esses professores falsos é responder com skills e knowledge!!!! o que eles fazem nao dura para sempre. uma sociedade com pouca cultura de dança nao chega para travar essas pessoas que agem como professores falsos, o melhor sera crescer como cultura.. muitos deles nao tem a noçao do significado da palavra exaustao, porque quem o pratica tem o conhecimento. A dança para evoluir em portugal as pessoas tem que aprender a dizer nao a uma proposta de trabalho e passar esse trabalho alguém que tenha essa capacidade de passar tecnica,,conhecimento e soul. se bem quem a realidade é outra. bboy skala 12 makakos

    ResponderEliminar
  3. Un artículo realmente bien escrito.....gracias.
    La verdad es que hace años que sufro con esta realidad pues tanto aqui como en España....sobran los impostores.
    Yo llevo desde el 93 dando clases de baile y desde el 98 dedicada a clases de Salsa y sinceramente ya ví de todo..desde personas que apenas aprenden a bailar se ponen a dar clases y se autonombran "profesionales" hasta bailarines de otras modalidades que se apuntan a la moda de la Salsa para sacar provecho....no sé que es peor..bueno, si, ...lo peor son la escuelas, academias, gimnasios...etc....que los contratan porque son más baratos o son conocidos o traen alumnos de otro sitio..como si los alumnos fueran cosas con las que negociar...
    Como digo....ya vi de todo y sé que seguiré viendo pues en el ambiente de las Danzas Sociales (en este caso las Latinas que son de las que puedo hablar) no hay Formación Académica, sólo los Congresos o Profesores que están reconocidos a nivel mundial...o no, y quien se preocupa en tener formación que asegure una buena calidad para dar clases lo toman por idealista. Desgraciadamente, la buena calidad pedagógica se confunde con la presentación de unas Coreografias acrobáticas y bonitas, unas animaciones graciosas y un buen marketing.....nadie se preocupa con lo que los alumnos aprenden, las técnicas, las conductas sociales en la pista de baile, las bases culturales de los diferentes estilos....
    En este mundo de la danza es todo muy relativo....yo sólo me atrevo a pedir a las personas....que no se dejen engañar por las apariencias...que experimenten varios sitios de aulas y escojan la mejor calidad poor el bien de ellos y de la Danza que ellos adoran.
    Evidentemente cada aluno tiene objetivos diferentes...pero, para qué invertir el preciado tiempo de las personas en profesores de mala calidad?...en esta vida nos puede sobrar el dinero..cosa que dudo , pero lo que no sobra es nuestro tiempo. BUSQUEN PROFESIONALES si quieren Calidad en la vida....luego lo invierten en lo que quieran....diversión, socialización, aulas con trasfondo cultural y buenas bases....
    Hablo desde el corazón....porque mi vida es la Danza.
    Bea Essência.

    ResponderEliminar
  4. Olá,
    moro no Rio de Janeiro e aqui a quantidade de falsos professores é uma epidemia, qualquer um pode se intitular professor de dança, (conheço muitos), mas infelizmente isso realmente acontece e não existe uma norma regulatória para esse tipo de pessoa. As academias de fitness contratam esses falsos profissionais pois há fiscalização apenas para professores de educação fisica.
    Faço dança de salão há 12 anos e já me deparei diversas vezes com esse tipo de situação, ainda que nós aqui no
    Rio de janeiro temos escolas de formação profissional para esta área. Um exemplo disso é a escola de dança Jaime Arôxa, mas esses tais "professores", ao menos se atualizam e mal sabem fazer movimentos básicos.
    Lamentável

    Aproveito para parabenizar pelo artigo. Muito oportuno!

    ResponderEliminar
  5. Infelizmente a Matéria cai no Rio de Janeiro ,bem como no país inteiro e o Sindicato ,não tem instrumentos necessários para COIBIR essas pessoas que de fato que não SÃO profissionais Qualificados ,uma parte de responsabilidade vai do publico que endossa os mesmos ,e tudo muito LAMENTÁVEL . Esta melhorando ,mas , muito longe de um objetivo CONCRETO . Bob Cunha

    ResponderEliminar
  6. A verdade nua e crua, é que muitas vezes entramos numa escola de dança e não vemos sequer alongamentos necessarios ao estilo de dança proposta ao público e nelas encontramos pessoas de todas as idades e nem um mínimo de respeito a esses corpos já prejudicados pelo tempo e aos demais que se propoe a aprender e não lesionar tbm os mais novos.

    ResponderEliminar
  7. Efectivamente, no âmbito das chamadas Danças Sociais, à parte das Danças de Salão, é quase nula a formação profissional, não só em Portugal, como a nível internacional! Não temos ao nosso dispor, estruturas federativas, como o desporto e o fitness, que estruturem uma carteira profissional, com reconhecimento público! Como detentor de 2 cédulas em desporto e fitness, reconheço a mais valia que uma formação contínua, integrada e multidisciplinar, estruturada para o ensino, teria no meu exercício enquanto professor de Dança!

    ResponderEliminar
  8. Boas! Eu tenho aulas de dança...e sei q tenho MT aprender com TDs os bailarinos. Gosto de aprender td promenor, enquanto maioria do pessoal d qq estilo de dança aprende uns passos e pensam q já sabem dançar e ensinar. Acho q isso ta errado, pois vão ser uma cópia de quem lhes ensina e se um dia quiserem deixarem de aprender outros passos. Vão limitar os seus alunos. Penso q na dança temos é q aprender os gestos técnicos. Para poder criarmos os nossos próprios passos. Pois assim é q poderemos ensinar alguém a dançar e n ser uma cópia nossa. Penso q é bonito para TDs os professores verem os seus alunos a fazer os seus passos e n utilizar o seu trabalho para se lançarem para o mundo da dança tb. Sintam a música e n copiem ninguém. Recolham a informação necessária e n decorem. Eu tb gostava de dar aulas. O q preciso de fazer? Além de praticar. Preciso de algum certificado ou curso?

    ResponderEliminar
  9. Eu sempre gostei de dançar, mas aprendi sozinho a dançar copiando alguns passos de outras pessoas que dançavam o breakdance no inicio dos anos 80. Atraiu-me as acrobacias que esses dançarinos americanos de rua(não profissionais e sem formação alguma de uma escola superior ou mediana de dança). Com isto penso que em 1º plano a dança numa sociedade moderna onde existe regras, deve ser vista como um convívio entre pessoas que lhes dá prazer inexplicável/explicável, que nos faz dar gargalhadas dos passos doidos, e suspiros dos passos espectaculares e criativos de cada um. É nesse 1º plano que as pessoas sem formação profissional dançam pelo prazer genuíno partilhando a sua alegria uns com outros, digamos que é unico momento que leva os adultos serem crianças :-). A dança em 2º plano, pessoas que querem ganhar dinheiro e fazerem da dança uma actividade diária onde recebem contrapartidas(dinheiro) devem sim ser bem formados em escolas superiores de dança para que possam dar aulas apenas as pessoas que queiram também seguir uma carreira profissional na área da dança. Todos aqueles que querem ganhar dinheiro ter um ordenado devem estudar e muito. Mas esse mesmos professores não devem rebaixar ninguém que se proponha ensinar de livre vontade aos outros, a dançar por motivos sociais. Eu faço isso sim, ensino aos meus amigos e conhecidos que vou fazendo em festas de fim de semana, porque eles chegam a pé de mim e dizem que eu danço bem e pedem que eu ensine o que eles acham ser bonito os movimentos que faço. E assim damos todos uma risadas e divertimos muito. Acho que dançar com regras deve ser ensinado a quem quer competir, e ensinar com regras básicas e depois deixar as pessoas serem criativas é que é chamar de dançarino. Para mim quem nao é criativo e faz apenas igual/parecido aos que outros fizeram não será extraordinário.

    ResponderEliminar
  10. Ensinar exige : pesquisa, novidade, metodologia, estética e ética,testemunho, respeito, reconhecimento cultural e criticidade. para ser um profissional do ensino exigi formação ensinar-educação são coisa serias e o ensino de arte também é coisa seria, todos estão sujeito a grandes lesões, e a uma compreensão errada sobre a finalidade da arte.

    ResponderEliminar
  11. Aqui em SP, com a moda do sertanejo universitário, aparecem dezenas de professores todos os meses, pior, nunca fizeram aula de dança de salão para terem noções de outros ritmos.
    Estão fazendo pegadas e passos acrobáticos sem noção nenhuma de consciência corporal.

    ResponderEliminar

Queres publicar as tuas notícias no IDS? Tens alguma sugestão para nós? Envia para indancingshoes@edance.pt

Publicidade

Contribui para o IDS

Andam a dançar por aqui

SEGUE O IDS

PUBLICIDADE