Index Labels

"The Ballerina Project" em Lisboa e no Porto

. . Sem comentários:

"The Ballerina Project" surgiu em New York pelas mãos de Dane Shitagi e tem vindo a ser propagado um pouco por todo o mundo. Em Portugal, Luís Rocha dos Reis é quem está por detrás da câmara, neste projeto que visa aliar a beleza da cidade com o corpo e movimento da bailarina. Primeiro em Lisboa e depois no Porto, este lisboeta de 47 anos tem aliado a fotografia e a dança, numa conjugação de beleza ímpar.

Quem é Luís Rocha dos Reis?
Luís Rocha dos Reis é um lisboeta (por nascimento) e um cidadão do mundo. Nos últimos 8 anos, tem desenvolvido a fotografia como atividade profissional… mais recentemente concentrando-se apenas em "fine art imagery".

Como surgiu a ideia de desenvolver este projeto?
O projeto foi inspirado pelo trabalho do Dane Shitagi em NY (USA). Em conversa com pessoas do mundo da dança, concluí que a exploração da beleza dos movimentos e corpos de bailarinas conjugadas com a beleza da cidade, poderiam dar umas imagens fortes e artísticas… e que não existia em Portugal ainda nada similar.

Porquê Lisboa?
Lisboa porque é uma cidade com um landscape totalmente cosmopolita, com uma variedade impressionante de estilos distintos que se misturam de forma única e extremamente curiosa e bela. E porque tem uma luminosidade ímpar no mundo inteiro.
The Lisbon Ballerina Project - https://www.facebook.com/TheLisbonBallerinaProject

E Porto?
O Porto surgiu como um desafio de uma bailarina da Invicta que foi fotografada para o The Lisbon Ballerina Project, a Inês Gamboa. Com a ajuda preciosa dela (na identificação e selecção dos locais, no contacto com a comunidade de dança do Porto e o apoio durante as próprias sessões) foi possível desenvolver igualmente o projecto numa cidade com características tão próprias como é o Porto.

Há mais alguma cidade em vista?
Para já, e até por motivos logísticos e de dedicação aos restantes projetos em que estou envolvido, não tenho planeada a intervenção em mais cidades portuguesas. Mas quem sabe….

The Lisbon Ballerina Project e The Oporto Ballerina Project são independentes ou estão associados um ao outro?
Estão naturalmente associados pois são desenvolvidos com o mesmo conceito criativo, o mesmo "olhar criativo" e os mesmos recursos técnicos.

Como são escolhidos os bailarinos?
As bailarinas são escolhidas por mim, com base no conhecimento pessoal do trabalho desenvolvido por elas, sendo que cada vez mais recebo contactos e currículos de bailarinas a quererem participar neste projeto.

Qual o bailarino que mais gostou de fotografar?
Depois de fotografar quase 100 bailarinas distintas, seria extremamente injusto destacar uma ou algumas… todas deram o seu melhor, a sua interpretação artística da sua arte, dedicaram tempo e preparação às sessões e colaboraram na selecção dos locais e estilos que fotografámos. Foi um verdadeiro trabalho de equipa. E a todas, sem exceção, estou muito grato pela sua participação e por terem tornado este projeto uma realidade.



Qual o local onde mais gostou de fotografar?
Todos os locais foram previamente selecionados por mim e por cada uma das bailarinas, pois o pretendido era que as sessões acontecerem em locais que "diziam algo" às artistas, que as inspirassem a darem o seu melhor. E como amo Lisboa, não consigo destacar um local especial: desde os mais conhecidos e turísticos, até aos becos e vielas mais recônditos, todos os locais representam uma peça do intrigante puzzle que é Lisboa.

Não é uma situação comum passarmos na rua e vermos, por exemplo, uma bailarina em pontas. Qual é a reacção das pessoas que vos vêem durante as sessões?
Todas as sessões foram realizadas de manhã muito cedo (06h30/07h00) ou então noite avançada, exatamente para podermos ter Lisboa praticamente deserta e por "nossa conta". Não queria transeuntes ou "ruído visual" excessivo nas imagens, para além de que a luz da alvorada em Lisboa é algo de demasiado bonito para não ser aproveitado. Por isso não tivemos muitas reacções para além de ocasionais notívagos que regressavam a casa ou de pessoas que, nas suas atividades profissionais, começavam a trabalhar na rua muito cedo. E normalmente as reacções eram muito boas: as pessoas paravam para ver, sorriam, algumas aplaudiam.

Pode contar-nos algum episódio mais caricato que tenha acontecido durante o desenvolvimento deste projecto?
Durante uma sessão no Metro de Lisboa - realizada quase no encerramento da estação - eu e a bailarina esperámos que a plataforma ficasse totalmente vazia e iniciámos a sessão. Como sempre, mais do que captar poses, eu estava a captar os movimentos das coreografias que a bailarina estava a interpretar. E quando fizemos uma paragem ao fim de uns 15 minutos de total concentração, começamos a ouvir palmas… que vinham de algumas dezenas de pessoas que se tinham vindo a concentrar num piso superior e que - sem nos darmos conta - estavam a desfrutar do "espectáculo" :-)

Está a decorrer, até 31 de maio, uma exposição do The Lisbon Ballerina Project na PT Blue Station (Baixa-Chiado) em Lisboa. Era algo em que já tinha pensado e/ou ambicionado?
O objetivo original deste projeto sempre foi poder ser exposto. 
Estou ainda a planear a exposição do The Oporto Ballerina Project, na cidade do Porto, o qual ainda não tem datas ou local fechados mas que deverá ainda ocorrer em 2013. E, claro, estou a trabalhar na edição do livro dedicado ao projeto.

Qual o enquadramento destes projectos na TheBlackSheep?
O TheBlackSheep Group é o meu projecto pessoal mais recente, que envolve não apenas a realização de trabalhos de fine art (fotografia de autor) e um estúdio de fotografia no centro de Lisboa - também disponível para ser utilizado por outros fotógrafos - , como a criação de uma Galeria de Arte integralmente dedicada à fotografia e que deverá abrir em breve. Pretendo apoiar e dar a conhecer novos talentos da fotografia, para além de trabalhos menos conhecidos de fotógrafos de renome… 

"BlackSheep" é, para além de um nome, um conceito que está na base de todo o projecto: marcar a diferença, pela irreverência, pelo abrir de novos caminhos, fora do mainstream da arte fotográfica. Apenas uma exigência: qualidade!



TheBlackSheep Photography
blacksheep@zonmail.pt

Texto de Rita Bastos | eDANCE
Fotografias cedidas por TheBlackSheep Photography







Sem comentários:

Enviar um comentário

Queres publicar as tuas notícias no IDS? Tens alguma sugestão para nós? Envia para indancingshoes@edance.pt

Publicidade

Contribui para o IDS

Andam a dançar por aqui

SEGUE O IDS

PUBLICIDADE